Advogada, Escritora, Ativista Cultural, Natural de Santo André, Estado de São Paulo. Acadêmica, Cadeira n. 43 - Academia Nacional de Letras Portal do Poeta Brasileiro - ANLPPB www.anastoppa.prosaeverso.net

16
Mai 13




“FLOR DO PANTANO”

Uma flor brotou do pântano,
Não era “vitória-régia”,
Não era catalogada;
Uma flor brotou no pântano...
Sem perfume, sem nome, sem cor...
Era simplesmente uma flor...
A noite calada, longa e
Solitária, foi o único espectador
Que presenciou o momento,
Do desabrochar da flor...
Uma flor brotou no pântano...
Plantas aquáticas verdejantes
Ao redor, porém silenciosas,
Gélidas...
Uma flor brotou no pântano...
Amanheceu e o sol causticante
Imperioso, reluzente murchou a
Flor...
Plantas aquáticas verdejantes
Ao redor, porém silenciosas,
Gélidas...
Anoiteceu.
As estrelas presenciaram
O singelo espetáculo na calada
Do luar:
Tal qual plantas aquáticas,
Gélido e silencioso moveu-se
O lodo do pântano...
Lentamente, à medida que a madrugada
Fazia se anunciar pelo cantar solitário
Dos pássaros nos montes, a areia movediça
Engoliu a flor...
Uma flor brotou no pântano...
A areia movediça engoliu a flor...
Que era sem perfume, sem nome, sem cor,
Era, contudo uma FLOR!


Ana Stoppa

publicado por Ana Stoppa, Escritora Brasileira. às 05:16

Abril 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
26

27
28
29
30


posts recentes

Flor do Pântano

arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO